Avenidas sem Sentido Saldo dos Comentários ao Livro/Vendedor: Positivo

Companhia do Eu
QuidNovi
Desconhecido
Português
Um
Usado
Métodos de envio:
- Correio normal (Gratuito para Portugal)
- Correio registado (+ €1.60)

Métodos de pagamento:
- Transferência Bancária
- PayPal

Envio é efectuado até 1 dia útil após pagamento recebido.

É aconselhável escolher método Correio registado, por ser mais seguro.
Em caso de extravio só nos responsabilizamos por este método de envio.

Para envios internacionais, favor contactar, afim de saber o valor dos portes.

Caso pretenda factura, favor pedir na mensagem após compra.

Detalhes da Obra

Título:
Avenidas sem Sentido

Autoria:
Companhia do Eu (Vários Autores)

Coordenação:
Pedro Sena-Lino

Detalhes do Artigo

Estado:
Usado / Como novo

Capa:
Mole

Editora:
QuidNovi

Colecção:
Literatura Portuguesa

Edição:
1.ª

Ano de edição:
2012

Páginas:
296

Idioma:
Português

ISBN:
978-989-554-943-6

Sinopse

Avenidas sem Sentido é uma coletânea de 16 contos de novos autores. É um conjunto de ruas, mais do que de textos, desde as antigas ruas de Bizâncio às pequenas e misteriosas ruas de Areia, ao atelier de um pintor fora do espaço e do tempo, até àquela casa que parece já ter morrido. É um mapa de perguntas, à espera de quem o desdobre nas mãos. Os contos que aqui seguem são sítios incomuns, gerados por lutas com os mapas ilimitados da imaginação. São uma seleção, entre muitos outros textos. São estreias, todos eles: devem ler-se a partir do seu ponto de partida - o nada - e seguir- -se até aonde chegaram: uma avenida de sentido.

Usado
Aveiro
6,86€
Filipe Lopes | Livraria Severense
Para ver os contactos do vendedor deste livro,
inscreva-se agora gratuitamente
ou
entre na Bibliofeira

Comentários sobre este vendedor

  • Fabien Gonçalves disse no dia 2016-10-20: Absolutamente impecável! Comentário Positivo
  • Filipe Lopes | Livraria Severense disse no dia 2016-10-20:
    Obrigado, Fabien.
    Fico contente por saber que se encontra satisfeito.
    Até uma próxima oportunidade.
    Com os melhores cumprimentos, Filipe Lopes