DIÁLOGO COM OS CATÓLICOS (Ou talvez não) Saldo dos Comentários ao Livro/Vendedor: Neutro

Mário Sacramento
Porto, Editorial Inova, -1970
Desconhecido
Português
Um
Usado
DIÁLOGO COM OS CATÓLICOS (Ou talvez não)
Mário Sacramento
Com prefácios e textos de Padre Dr. Filipe Rocha, Dr. Mário da Rocha e Ança Regala.
Porto, Editorial Inova, -1970
Páginas:271
Dimensões: 194x140 m.

Capa com a algumas marcas de desgaste, miolo em excelente estado.
PREÇO: 12.00
PORTES DE ENVIO INCLUÍDOS, em Correio Normal/Editorial, válido enquanto esta modalidade for acessível a particulares.
Envio em Correio Registado acresce a taxa em vigor.
-----------------------------------------------------------
PRÉ-PAGAMENTO:
Transferência Bancária
MBWAY
PAYPAL
Entrego em mão em Coimbra
---------------------------------------------------------------------------------------------
MÁRIO SACRAMENTO (1920- 1969) *

Mário Emílio de Morais Sacramento nasceu em Ílhavo. Ensaísta, incansável combatente pela Liberdade e humanista ferozmente perseguido.

Realizou os seu estudos secundários no Liceu de Aveiro, onde foi um activista estudantil, director do jornal «A Voz Académica» sob a direcção de Agostinho da Silva e José Pereira Tavares. A proximidade de personalidades perseguidas, os seus editoriais anticonformistas e pacifistas, assim como a proximidade com jovens pobres, nomeadamente no ensino do Esperanto, valeu-lhe uma primeira prisão pela PIDE (1938, aos 17 anos): uma semana no Porto onde sofreu tortura moral. Matriculou-se em Medicina na Universidade de Coimbra, e concluiu os seus estudos em Lisboa, onde se licenciou em 1946, sob a direcção do Professor Dr Pulido Valente. E obteve em Paris uma especialização em gastroenterologia (1961).

Desde muito cedo interessou-se pela escrita, colaborando em diversos periódicos de esquerda entre os quais Diálogo, O Diabo, Sol Nascente, Vértice, O Comércio do Porto, o Diário de Lisboa e Seara Nova. Observador interessado do panorama literário português, Mário Sacramento publicou críticas literárias sobre escritores do passado ou seus contemporâneos e sobre temas diversificados. Ensaísta que punha em valor os autores neorrealistas e a práxis, não observava somente o materialismo-dialéctico : apresentava-se como "humanista integral" estendendo a mão a todas as boas vontades que com ele aceitavam dialogar.
Mário Sacramento aderiu ao movimento de resistência democrática ao regime do Estado Novo. Nesse contexto de resistência à ditadura, militou no Partido Comunista Português. Quando estudante em Lisboa, foi membro da comissão central da organização de juventude do Movimento de Unidade Democrática (o MUD Juvenil). Nessas funções ganhou grande notoriedade, transformando-se numa das figuras de referência da resistência ao salazarismo. Odiava o regime que lho retribuía dolorosamente com perseguições e prisões em Caxias e no Aljube em diferentes períodos: uma vez em 1953, duas em em 1955 e a última vez em 1962 (cinco prisões contando a da sua adolescência). Foi ferozmente perseguido como cidadão, como homem e como médico,
Usado
Coimbra
12,00€
ARCA DOS LIVROS - Vasco Barra Oliveira
Para ver os contactos do vendedor deste livro,
inscreva-se agora gratuitamente
ou
entre na Bibliofeira