O Primeiro Dia do Homem Fora do Paraíso Saldo dos Comentários ao Livro/Vendedor: Neutro

António de Cértima
Edições Ática – Lisboa – 1960.
Desconhecido
Português
Um
Usado
CONTACTO:  vboliveira@gmail.com
-----------------------------------------------------------
PRÉ-PAGAMENTO:
Transferência Bancária

Custos de  envio:

OPÇÃO A : Envio em Correio Normal. (1.00€ )
Comprador assume o risco de entrega

OPÇÃO B :Envio em Correio Registado (2.70€)
Vendedor assume o risco de entrega.

Aceito pagamento por Paypal.  Acresce 1,00€ ao custo de envio.

Entrego em mão em Coimbra


O Primeiro Dia do Homem Fora do Paraíso

António de Cértima –

Capa e gravuras a negro do pintor António-Lino

Edições Ática – Lisboa – 1960.

1.ª Edição»

Páginas: 237

Dimensões:190x120x17 mm.

Exemplar em bom estado.

Páginas amarelecidas pelo tempo.

Tem os cadernos por abrir.

Sem assinaturas ou anotações.


PREÇO: 16.00€

Como comprar



Teve como nome de baptismo de António Augusto Gomes Cruzeiro, mas cedo adoptou só o de António de Cértima. Nasceu a 27 de Julho de 1894, no lugar da Gesta, Freguesia de Oiã, Concelho de Oliveira do Bairro. Filho de António Francisco Cruzeiro e de Teresa Pereira Gomes. Fez a instrução primária na sua terra natal, seguindo depois para o liceu de Aveiro. Em 1915 ingressou no serviço militar, integrado nas campanhas de África, em Moçambique, terminando em 1918. Após o seu regresso ao Continente Europeu continuou os seus estudos, terminando o curso de Direito e adquirindo conhecimentos de línguas estrangeiras, nomeadamente Francês, Espanhol, Inglês, Italiano e línguas árabes. Ainda de tenra idade começa a escrever em jornais da região e em 1914, publica o seu primeiro livro “Marília”, (uma peça de teatro). Em 1925, ingressa na vida Diplomática, como Vice-cônsul no Suêz, onde da sua acção neste consulado pouco se sabe, terminando em 18 de Outubro de 1926, sendo nomeado nesta mesma data, Cônsul de Portugal em Dakar, onde permaneceu até à sua passagem para o consulado de Sevilha pela nomeação de 30 de Maio de 1932, onde permanece até à exoneração a seu pedido em 12 de Maio de 1949. A sua acção diplomática distingue-se pela sua integração cultural na região e pelo empenhamento que teve em levar o nome de Portugal, não esquecendo o incentivo das exportações Portuguesas para aquelas regiões. Aquando da sua permanência em Sevilha, que coincidiu com o período da guerra civil espanhola, foi notável o seu grande humanismo. A sua presença naqueles consulados, levou a que fosse considerado ao nível internacional como um grande Embaixador da Cultura Portuguesa e um diplomata de reconhecido valor internacional. Deixou a Vida Diplomática em 1949 regressando a Portugal.
Usado
Coimbra
16,00€