O CANTO DA CIGARRA. SÁTIRAS ÀS MULHERES Saldo dos Comentários ao Livro/Vendedor: Neutro

Augusto Gil
Guimarães & C Editores
Desconhecido
Português
Um
Envelhecido
O CANTO DA CIGARRA. SÁTIRAS ÀS MULHERES
Augusto Gil
4ª Edição, - 1920?
Guimarães & C Editores
Páginas: 141
Dimensões: 195x130 mm.

Exemplar em bom estado, com ligeiras manchas  acidez nas folhas inicais.
PREÇO: 7.00€

----------------------------------------------------------------------

«Dizes que sou um doido, um impulsivo;
Sê-lo-ei às vezes, em em outras não.
Amei-te, é certo, sem nenhum motivo;
Mas quando te deixei - tive razão...»

«Numa carta em estilo soridente
(Mas sobre as linhas da qual
os meus olhos choraram longamente)
Pus este aviso final:

Por notares que manchei
Isso que em cima ficou,
-Não vás supor que chorei...

Foi água que se entornou.»
---------------------------------------------------------------------------------------------------
Sempre que a vejo a contemplar os céus
Com ar de lírica neurastenia,
Dá-me a impressão de estar pedindo a Deus :
− Ao menos, um alferes d’infantaria!...
----------------------------------------------------------------------------------------------
«O Canto da Cigarra – Sátiras às Mulheres» parece ter sido inspirado pelo amor impossível a uma jovem de quem, temporariamente, se afastou e com quem veio a casar-se mais tarde. Magoado e desiludido, traz à tona, neste conjunto de poemas, a sua veia de crítica mordaz das mulheres e da sociedade da época. A mulher aparece, assim, desdenhada, alvo constante a abater, antes de o sentimento, o afecto ou o interesse se tornarem fortes e duradoiros. Uma atitude de sobranceria apaziguada no culto da sátira lírica.
Editadas em 1909, já «desbastadas das mais cortantes arestas», estas sátiras são o resultado de um período intenso de leituras oitocentistas sobre a mulher.
E – Porque é dentro dos ouriços/ Que se encontram as castanhas – esta é uma obra que, deixando de fora os valores feministas, consente a todos uma leitura aprazível na descoberta de algumas meias-verdades jocosas, que são o quotidiano da vivência em sociedade.

- do Prefácio de Gabriela Carvalho à edição de  2014  pela  Althum


Sobre o autor
Augusto César Ferreira Gil nasceu em 1873 no Lordelo do Ouro e viveu na Guarda, a sua «sagrada Beira», onde passou praticamente a infância e cujo ambiente frio e invernoso serve, em constância, de cenário aos seus versos.
Envelhecido
Coimbra
7,00€
ARCA DOS LIVROS - Vasco Barra Oliveira
Para ver os contactos do vendedor deste livro,
inscreva-se agora gratuitamente
ou
entre na Bibliofeira