O Fogo e as Cinzas Saldo dos Comentários ao Livro/Vendedor: Neutro

Manuel da Fonseca
Caminho
Desconhecido
Português
Um
Usado
CONTACTO: vboliveira@gmail.com
Pré-pagamento:
Transferência Bancária
Paypal (Acresce 0.35€ + 4% sobre o preço do produto e do custo de envio.
Condições de envio:
Envio em Correio Normal. (Mínimo 0.90€ ) Comprador assume o risco de entrega
Envio em Correio Registado (Acresce 1.60€ ao custo do correio normal ) Vendedor assume o risco de entrega.
Pagamento por Paypal implica sempre o envio por Correio Registado.
Entrego em mão em Coimbra
Forum Coimbra
Retail Parque Mondego

O Fogo e as Cinzas
de Manuel da Fonseca
16ª Edição: 1981
Editor: Editorial Caminho
Idioma: Português
Dimensões: 134 x 208 x 8 mm
Encadernação: Capa mole Páginas: 172
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Romance
Livro em estado razoavel.
Tem assinaturas nas páginas de guarda.
Restantes páginas estão limpas.


O Fogo e as Cinzas, publicado em 1951, é um dos mais significativos livros de contos da moderna literatura portuguesa, onde a arte de Manuel da Fonseca atinge a perfeita maturidade, revelando-se então um escritor de tendência regionalista e de funda preocupação humana, que retrata a vida pobre dos trabalhadores rurais das planícies alentejanas, dando especial realce à sua luta contra a injustiça. Os contos são acerca de um Alentejo dos anos 40 e 50, rústico e em decomposição. Eles nos falam das gentes de uma terra maravilhosa mas pobre: esse Alentejo de há muitas décadas, que assistia aos primeiros passos de um progresso lento.
Biografia
Manuel Lopes da Fonseca nasceu em Santiago do Cacém, em 1911, mas cedo veio para Lisboa, onde iniciaria a sua actividade literária.
Poeta, romancista, contista e cronista, toda a sua obra é atravessada pelo Alentejo e o seu povo.
Manuel da Fonseca foi um dos maiores escritores do neo-realismo literário português. Fez parte do grupo do Novo Cancioneiro e através da sua arte teve uma intervenção social e política muito importante, retratando o povo, a sua vida, as suas misérias e as suas riquezas, exaltando-o e, mesmo, mitificando-o.
Da sua obra como poeta destacam-se Rosa dos Ventos (1940) e Planície (1941). "A publicação de "Rosa dos Ventos" em 1940, altura em que o neo-realismo na poesia não conseguira ultrapassar a inconsistência de algumas tentativas exploratórias, veio viabilizar uma alternativa ao presencismo dominante". "A sua poesia propor-se-á como oralidade dramática, pela qual a enunciação é delegada num vasto friso de personagens que assim conquistam finalmente a sua voz, no que é afinal uma reparação feita a todos aqueles a quem a História interditara a voz, relegando-os para a esfera do não-dito - e daí a oralidade desta poesia, tão devedora no tom e nas formas poéticas de tradições maioritariamente populares, isto é, não cultas. É esta, pois, uma poesia em que o realismo se declina em termos históricos e, sobretudo, materialistas, pela forma como se enraíza na concretude de personagens e situações." (Osval
Usado
Coimbra
3,00€
ARCA DOS LIVROS - Vasco Barra Oliveira
Para ver os contactos do vendedor deste livro,
inscreva-se agora gratuitamente
ou
entre na Bibliofeira